Muito nublado

Quinta | 19 Julho

22C

27

19

A não perder < voltar

Em tempos de crise, mais de 18 mil angolanos "deram uma volta" à África do Sul

16/09/2015 | Fonte: Angop

Nos primeiros seis meses deste ano, dezoito mil e 891 turistas angolanos visitaram a África do Sul. Deste modo, Angola, a semelhança de Moçambique, representa 17, 6 porcento das visitas recepcionadas pelos sul-africanos, segundo informações avançadas hoje (terça-feira) à Angop por Evelyn Mahlaba, directora regional do Turismo na África do Sul (SAT), um organismo de promoção do turismo naquele país.

Embora não tenha feito paralelo entre os números mais recentes e as movimentações homólogas a 2014, Evelyn Mahlaba afirma que a estratégia inerente a campanha de marketing constitui o mote de batalha nesta fase de pouca bonança.

“Acreditamos que a nossa campanha de marketing e comunicação vai ao centro da questão, pois aborda directamente os desejos e necessidades do consumidor. Ou seja, oferece um destino (África do Sul) relativamente perto (Angola) a preços acessíveis e que tem uma vasta variedade de actividades de lazer disponíveis”, refere a mesma.

É, aliás, este pensamento que move a instituição de Evelyn Mahlaba ao ponto de perspectivar crescimento nas visitas turísticas de angolanos à África do Sul numa altura de crise. Embora não tenha avançado números, Evelyn Mahlaba afirma que a sua instituição vai cumprir as metas de crescimento a que se propôs neste ano.

“O interesse contínuo na África do Sul como um destino pode ser atribuído à actual campanha de marketing que mostra um destino cheio de surpresas e encantos e com um povo muito acolhedor e hospitaleiro”, sublinha.

A testar as declarações de Evelyn Mahlaba, o Turismo na África do Sul (SAT) realizou na última semana de Agosto um seminário onde colocou frente-a-frente agentes turísticos angolanos e sul-africanos. Foi o caso, por exemplo, da delegação de uma das cadeias de hotéis mais importantes de África, a Sun City.

Na ocasião, não foram rubricados quaisquer tipos de acordos entre angolanos e sul-africanos, mas ficou patente o interesse dos agentes da África do Sul em estender as suas actividades em Angola, conforme atestou a responsável pela realização do encontro, Evelyn Mahlaba.

“O facto de estas cadeias de hotéis participarem em iniciativas e acções noutros países mostra que estão dispostos a explorar potenciais oportunidades de investimento. O continente africano está actualmente maduro para receber investimento de todas as empresas, no entanto decisões como estas levam o seu tempo a ser concretizadas, considerando que dependem de uma série de factores”, argumentou Evelyn Mahlaba.

 O sector do turismo, a nível mundial, está a passar por um momento difícil, causado essencialmente pelos desafios económicos que os países enfrentam. Os consumidores acabam por ser pressionados financeiramente e reflectem bastante antes de tomar alguma decisão de compra de destinos de férias.

Mesmo assim, o último relatório da Organização Mundial do Turismo refere que o sector contribuirá (até ao final deste ano) com um crescimento de 3,7% para o PIB mundial e vai criar mais 2,6% de empregos.

A organização adianta que o turismo mundial cresceu pelo quinto ano consecutivo, mas ressalvou que "os actos terroristas como os que aconteceram na Tunísia e no Quénia terão consequências imprevisíveis".

Comentários