Céu limpo

Domingo | 23 Setembro

26C

26

22

A não perder < voltar

Emirates celebra primeiro ano de sucesso da rota mais longa do mundo com o A380

17/03/2017

Segundo a Emirates, a rota que no passado dia 1 de Março completou 12 meses sem interrupção iniciou as operações com um Boeing 777-200LR de 266 lugares e desde 30 de Outubro de 2016 que opera com um A380 de 491 lugares.

O A380 que liga Dubai a Auckland possui na parte superior 14 suítes na Primeira Classe, 76 lugares em Business Class, bem como um spa com chuveiro na parte dianteira do avião e um Lounge Onboard que fica na traseira da aeronave.

Segundo o comunicado de imprensa, a companhia reconheceu o papel fundamental que o Boeing 777-200LR desempenhou no início da rota, pois foi o avião ideal para o momento. Mas a versatilidade e popularidade do A380 levou à expansão dos destinos da aeronave, que agora já são 44, e incluirá São Paulo no Brasil e Casablanca em Marrocos a partir deste mês.

A introdução do A380 no voo sem escalas Dubai-Auckland, oito meses depois de operações com o Boeing 777, foi uma decisão acertada da Emirates, especialmente porque agora pode oferecer o serviço do A380 entre um número de destinos na Europa e na Nova Zelândia com uma única paragem no Dubai.

Além disso, do ponto de vista do cliente, a Emirates tem sido capaz de oferecer consistência total nas suas rotas na Nova Zelândia, com um A380 faz os três serviços diários para Auckland e um voo para Christchurch via Austrália a partir de Dubai.

Neste primeiro ano de operação da rota non-stop entre Auckland e o Dubai, a Emirates aumentou o transporte de carga em mais de 80%.

O tempo médio de voo em direcção ao Norte foi de 16 horas e 57 minutos enquanto para Sul (geralmente com ventos) foi de 15 horas e 38 minutos, um pouco melhor do que os horários programados. Isso deu aos passageiros a oportunidade de assistirem vários filmes de longa-metragem, como a trilogia o Senhor dos Anéis, complementada com um conjunto de séries populares de televisão e escolhas de música de várias décadas.


Comentários