Céu limpo com poucas nuvens

Terça | 19 Junho

25C

26

21

Descubra o País < voltar

Vila de Cacuaco

A Pesca, o Turismo, os Ritos

03/07/2014 | Fonte: © Austral, Revista de Bordo da TAAG (Julho/Agosto 2014)

Fotos

Fotos: Carlos Lousada

Fotos

  • Fotos: Carlos Lousada
  • Monumento à Batalha de Kifangondo
  • Fotos: Carlos Lousada
  • Fotos: Carlos Lousada
  • Fotos: Carlos Lousada
  • Fotos: Carlos Lousada
  • Busto de António Moreira
  • Fotos: Carlos Lousada
  • Fotos: Carlos Lousada
  • Fotos: Carlos Lousada
  • Fotos: Carlos Lousada
  • Orações na Igreja de Santo António
  • Fotos: Carlos Lousada
  • Fotos: Carlos Lousada
  • Fotos: Carlos Lousada
  • Fotos: Carlos Lousada
  • Fotos: Carlos Lousada
  • Fotos: Carlos Lousada
  • A nova dimensão de Cacuaco

Fotos: Carlos Lousada1 de 19

A vila de Cacuaco, vizinha da cidade de Luanda, vai ganhando cada vez mais contornos de crescimento, após ter nascido como um pequeno núcleo de pescadores.

Na sequência da sua elevação à categoria de vila, em 1936, actualmente tornou-se em boa referência turística, tendo em conta sobretudo a qualidade das suas praias, cujas areias brancas se povoam de banhistas aos fins-de-semana.

A apenas 15 quilómetros da capital angolana, a limpeza e o sossego das suas praias fazem de Cacuaco o local de eleição para um refrescante mergulho, para uma refeição em família, para o folhear de umas páginas, para o merecido relaxe...

O asseio faz acreditar que, constituindo uma comunidade de pescadores, a faina da pesca não afecta as suas águas e as areias. De facto, a área de Cacuaco abriga uma das mais antigas comunidades de gente do mar de Angola, que se dedica à faina da pesca há muitas gerações, alimentando-se e sobrevivendo dos rendimentos do abundante peixe daquelas águas.

Mergulhando no tempo, Cacuaco começou como um pequeno núcleo populacional, constituído por pescadores luandenses, de etnia Kimbundu, provenientes sobretudo da orla costeira da Samba. Com o andar do tempo, aos pescadores Kimbundu foi-se juntando gente dos grupos étnicos Bacongo e Ovimbundo, que apesar de vindos do interior rapidamente aprenderam a arte da pesca.

Os casamentos interétnicos permitiram o crescimento e a expansão da população pescadora, e o que fora um pequeno núcleo converteu-se em próspera sede do município com o mesmo nome ­ um dos maiores de Angola com uma população estimada em cerca de 1 milhão de habitantes, que habitam os seus 50 bairros.

Além de banhado pelas águas do mar, este município é também agraciado pelo rio Bengo, de cujas águas provêm as gostosas tilápias, os famosos cacussos na linguagem angolana, espécie bastante apreciada e consumida em abundância em todo o país. Nas margens do rio pratica-se a agricultura, tanto de subsistência como em maior escala, constituindo-se em verdadeira fonte alimentar da população local e não só.

O rio também banha a comuna da Funda (pertencente ao município de Cacuaco), essencialmente habitada por agricultores que cultivam inúmeros produtos agrícolas, sobretudo tubérculos, legumes e frutos, que servem para o abastecimento a Luanda e a outros pontos do país. Quifangondo, também no município de Cacuaco, é outra comuna onde se pratica a agricultura em abundância, talvez abençoada por Santo António, padroeiro dos cristãos locais, ao qual é dedicado anualmente uma festa popular.

O local da celebração é o Santuário de Santo António, construído em Quifangondo no século XVII, cuja paróquia realiza uma procissão de velas e uma missa de acção de graças ao santo milagreiro, ao qual os devotos locais e peregrinos fazem pedidos em prol da saúde, felicidade no lar, sorte no amor, concretização de casamentos...

FESTAS POPULARES

Mas são as Festas Populares de Cacuaco que mobilizam e envolvem todos os anos uma imensa mole de gente, onde sobressaiem os pescadores locais com a sua procissão marítima, a 24 de Junho, transportando a imagem do padroeiro São João Baptista, cujo nome foi atribuído à principal igreja de Cacuaco, edificada há 70 anos no centro da vila.

Com pompa e circunstância, a festa inclui a tradicional veneração à Kianda (Sereia, em português), divindade das águas à qual são feitas oferendas ao mar para protecção dos pescadores e garantia de boas fainas.

A celebração, instituída em 1948, prolonga-se noite adentro durante uma semana no centro da vila, mais precisamente no largo António Moreira, engalanado com um busto deste notável professor e catequista, elevado à condição de "soba grande" pelos seus feitos em prol do município, falecido em 1998 aos 83 anos de idade. Barracas de comes e bebes enchem-se de gente neste largo, que acolhe também maratonas musicais, actividades desportivas, culturais e feira de artesanato.

Entretanto, a vila de Cacuaco vai cada vez mais ganhando contornos de modernidade. O melhor exemplo é a centralidade recentemente edificada e já habitada, com edifícios novos e modernos. Regista notório crescimento industrial, comercial e pesqueiro, 320 escolas e mais de 300 mil alunos, evidenciando novos tempos de prosperidade.

Contactos

Morada
Vila de Cacuaco - vila e município da província de Luanda

Contactos

Comentários