Muito nublado

Quinta | 19 Julho

22C

27

19

Descubra o País < voltar

Fascínio da natureza

Cunene

04/07/2011 | Fonte: © Austral, Revista de Bordo da TAAG (Julho/Agosto 2011)

Fotos: Carlos Lousada

Um velho ditado em língua Kwanyama diz: “a chuva nunca vem para mal!” e, de facto, as chuvas dos últimos anos têm criado no Cunene numerosos lagos e lagoas pejados de peixes bagre. Por todo o lado, homens e mulheres empenham-se na azáfama da apanha do bagre que, acompanhado de cerveja de massango, é petisco muito apreciado pelo povo do Cunene, que no entanto é criador de gado por excelência.

Diz-se por estas paragens que a palavra ‘Kwanyama’ significa “terra de carne” e a explicação remonta ao tempo das migrações. Reza a lenda que um chefe deste povo enviou um grupo de homens em missão exploratória além do horizonte, grupo esse que tardava em regressar ao ponto de partida. Por esse motivo, foi enviado um outro grupo em missão de busca do primeiro. Quando o segundo grupo o encontrou, os integrantes do primeiro gritaram em uníssono: “akwa nyama!” (terra de carne), referindo-se à quantidade de gado encontrado na área, onde todos acabaram por se estabelecer e converter em criadores de bovinos.

Mas a província também produz produtos agrícolas, como o massango, um cereal que alimenta tanto as pessoas, como os animais, que são sem dúvidas a maior riqueza e orgulho das tribos Kwanyama e Nyaneca – tradicionais criadores de gado. Aliás, este ano o gado não precisa de pastar longe, pois o massango já está maduro, à espera somente de ser colhido, para também servir de matéria-prima da cerveja local, que em breve encherá os copos dos convivas sentados à sombra de majestosas árvores.

A província do Cunene, com uma superfície de 87.342km2, posssui seis municípios: Cahama, Curoca, Cuvelai, Kwanyama, Namacunde e Ombanja, albergando uma população que se aproxima dos 300 mil habitantes. A sua capital, Ongiva, que já se chamou N’giva após a independência de Angola, mas também Pereira d’Eça, durante a colonização por tu guesa, está situada no município do Kwanyama, a terra do “lendário” rei Mandume.

Cunene é um vasto espaço territorial dotado de exóticos atractivos naturais, como o Parque Nacional da Mupa, com animais como elefantes, girafas, hipopótamos, zebras da planície, palancas vermelhas, impalas, hienas malhadas, leões, avestruzes e mabecos, entre outros. Situado a nordeste da província, com uma área de 660 mil hectares, já foi considerado reserva de caça em 1938, mas agora está destinado à preservação das espécies.

De clima tropical semi-árido, não sendo rica do ponto de vista florestal (“a maior parte do território é preenchido com bosque seco ou com um mosaico de bosque seco e savana”), alberga no entanto na região do Péu-Péu, município de Ombandja, o “maior embondeiro de África” – árvore símbolo de Angola também conhecida como baobá.

A província é favorável à prática do ecoturismo e do turismo de aventura, com as quedas de água do Ruacaná, na fronteira com a Namíbia, abertas à possibilidade do desporto aquático, além de proporcionarem uma fascinante paisagem, num espectáculo à dimensão da natureza em toda sua plenitude. Mas existem também as impressionantes Quedas do Monte Negro (Epupa), na região do Kuroca, muito perto também da fronteira com a Namíbia.

Comentários