Pouco nublado

Segunda | 22 Maio

26C

29

23

Descubra o País < voltar

Namibe: O namoro do deserto com o mar

29/11/2013 | Fonte: © Nova Gazeta

Fotos

Foto: © Nova Gazeta

Fotos

  • À descoberta do Namibe
  • À descoberta do Namibe
  • À descoberta do Namibe
  • À descoberta do Namibe
  • À descoberta do Namibe
  • À descoberta do Namibe

À descoberta do Namibe1 de 6

Namibe, onde o deserto e o mar se encontram criando paisagens de rara beleza, destaca-se pelo seu grande potencial turistico e pelos recursos diversificados.

A raríssima planta Welwistchia Mirabilis, que se encontra apenas neste deserto, é o símbolo máximo de uma província que exibe a Serra da Leba, as pinturas rupestres, a fauna, as esplêndidas praias, que são cobiçadas para a prática de desporto, nomeadamente a pesca submarina.

A variedade de atractivos naturais, como as belíssimas praias, parques e reservas ecológicas, jardins, quedas de água, fontes termais, rios, desertos e grutas, além da fauna e uma flora cheias de raridades, são razões mais que suficientes para que o Namibe tenha entrado na corrida para a eleição das ‘Sete Maravilhas Naturais de Angola’ e logo com dois candidatos.

Um dos canditatos é o próprio deserto, com uma área de 310. 000 km2, considerado como o mais antigo e estéril do mundo. Neste deserto, encontra-se a planta gigante Welwitschia Mirabilis, ou “tômbwa”, espécie única no mundo, símbolo da resistência e sobrevivência da vida vegetal no deserto, e que pode atingir mais de mil anos de vida.

Deve o seu nome ao botânico austríaco Friedrich Welwitsch que dedicou grande parte da vida a recolher a flora de Angola. Além desta planta única, o deserto contempla outros locais de referência, como o Parque Nacional do Yona, o maior da província, com mais de 15 mil metros quadrados e onde se encontram zebras, nguelengues, elefantes, impalas, onças, leões, cabras, avestruzes, orixes e rinocerontes, a Reserva Especial do Namibe, a Baía dos Tigres e as lagoas do Arco e do Carvalhão.

Na Reserva Especial do Namibe, com uma fauna variada, podem encontrar-se espécies como avestruzes, rinocerontes, zebras, nguelengues, leões, elefantes e suricatas. A Baía dos Tigres é a maior ilha de Angola. É nesta região, uma das mais ricas em pescado da costa angolana, que existe a pequena mas bem estabelecida Vila dos Tigres.

Entre os animais encontrados aqui, destacam-se a cobra-do-deserto, o elefante-africano, o inseparável de faces rosadas, bem como algumas espécies de lagartos, entre outros animais que conseguem sobreviver naquele clima. Outra candidata as ‘Sete Maravilhas Naturais de Angola’ é a Serra da Leba, que separa a Huíla do Namibe.

A serra tem um declive de mais de mil metros e seduz com o seu miradouro, a paisagem, a cascata, os tons e sons únicos. A Serra da Leba é também famosa pela estrada, serpenteada, em ziguezague, que é uma obra de engenharia muito apreciada.  A estrada tem 20 quilómetros, com 19 curvas, desenhada pelo engenheiro Artur Torres e começou a ser construída em 1915. Além do deserto, da serra, outro encanto natural do Namibe é a Foz do Rio Cunene, onde o mar se encontra com o deserto.

Aqui, é comum encontrar cabras de leque, coiotes, focas e leões-marinhos. Para visitar ainda há as Furnas do Kapangumbe, as grutas e cavernas que serviram de ‘casa’ aos povos khoi-san, as águas termais do Centro Turístico da Mutipa, Pediva, Ndolondolo, e as quedas de água do Monte Negro e da Serra das Neves. As praias do Namibe são propícias para o mergulho e para relaxar. As mais conhecidas são as praias das Miragens, Azul, Amélia, das Barreiras, dos Flamingos e da Lucira.

Existem algumas construções históricas do tempo colonial como o Palácio do Governo, a Estação do Caminho-de-ferro de Moçâmedes, o Tribunal da Comarca do Namibe e o edifício dos correios e telégrafos.

A fortaleza de São Fernando, actual unidade militar da Marinha, a Fortaleza do Capagombe, que servia para a concentração de escravos antes de embarcarem para as Américas, o actual quartel do exército, a prisão de Bentiaba e o Morro da Torre do Tombo são outros exemplos de arquitectura colonial.

Na arquictetura religiosa, há as igrejas Santo Adrião, de Nossa Senhora de Fátima, da Praia Amélia, de Nossa Senhora do Mundo e da Quiploa. Os principais rios da província são o Cunene, o Curoca, Bero Bentiaga e o Carujamba.

Onde ficar

O Hotel Chic Chic, de quatro ‘estrelas’, com 77 quartos e três suites, é o principal hotel do Namibe. Os quartos estão equipados com ar condicionado, televisão, frigobar, telefone, internet e casas de banho completas. Dispõe ainda de restaurante, bar, jacuzi, piscina exterior, sala de reuniões e parqueamento privado.

Gastronomia

A gastronomia da província é muito baseada no peixe e marisco e o caranguejo é das iguarias mais procuradas.

Contactos

Morada
Província do Namibe

Contactos

Comentários