Pouco nublado

Domingo | 22 Outubro

25C

29

24

Descubra o País < voltar

Luanda, a cidade que nunca dorme

Destino turístico para quem procura praia, natureza e diversão

05/02/2014 | Fonte: © Nova Gazeta

© Nova Gazeta

Luanda é uma cidade que encanta e que não dorme. Tem uma vida e uma energia contagiante e animada. A cidade assume-se, também, como um destino turístico para quem procura praia, natureza, aventura e diversão.

As suas paisagens naturais fazem dela candidata as ‘Sete Maravilhas Naturais de Angola’, com três concorrentes: a Ilha do Mussulo, o Parque Nacional da Quissama e o Miradouro da Lua.
O encanto das belezas naturais da Baía de Luanda oferece um clima propício à realização de actividades ao ar livre.

A restinga do Mussulo abriga, de facto, três ilhas e não apenas uma. A ilha dos Padres é a maior e a mais conhecida. Do outro lado da restinga, voltada para o Oceano Atlântico, há uma imensa praia de areia branca, praticamente deserta.

Pela beleza rara, a Ilha do Mussulo é candidata a ser uma das ‘Sete Maravilhas Naturais de Angola’. É considerada por muitos como o melhor destino para se aproveitar as férias e desfrutar de bons momentos e mesmo às portas de Luanda. A ilha é formada pelos sedimentos do rio Kwanza com praias de areia dourada.

Aqui, pode-se desfrutar de inúmeras actividades, especialmente de desportos náuticos como o mergulho, windsurf e pesca desportiva em mar alto. A costa sul oferece diversões como expedições de pesca ao tubarão, mergulho, observação de golfinhos e baleias, caminhadas e passeios de moto-quatro.

Para os praticantes de surf, Luanda oferece diversas praias com muito boas ondas, como as do Cabo Ledo que atrai surfistas de todo o mundo. Neste local, pode também fazer-se observação de aves.
Outra candidata às ‘Sete Maravilhas Naturais de Angola’ é o Miradouro da Lua que faz parte do imaginário dos angolanos e é um ponto turístico de paragem obrigatória. Ficou ainda mais famoso por ter sido o cenário do filme ‘O Miradouro da Lua’, do realizador português Jorge António, rodado em 1993 e que obteve o prémio especial de Realização no Festival de Gramado, Brasil.
O Miradouro é resultante da erosão de montanhas provocada pelo vento e pela chuva, o que sucedeu a paisagem de tipo lunar que ali se encontra.

Estabelecido como reserva de caça em 1938 e transformado em parque nacional em 1957, a Quiçama tem uma extensão de mais de 900 mil hectares e é um dos maiores parques de África e candidata a ser ‘Maravilha’. Aqui, podem encontrar-se elefantes, zebras, búfalos, antílopes e uma grande variedade de aves exóticas. É ainda um paraíso para os ecoturistas.

A Reserva Natural Integral do Ilhéu dos Pássaros é o local habitual de repouso de aves migratórias.

Luanda é uma cidade cheia de história com uma série de pontos turísticos a visitar não só pela beleza como pelo património histórico, como a Igreja da Nossa Senhora de Nazaré, situada na praça do Ambiente, construída em 1664, em que se destaca o altar em mármore rosa. A igreja da Nossa Senhora
do Carmo, construída em 1669 e tem como atractivo o seu tecto que foi integralmente pintado à mão.

O Palácio Dona Ana Joaquina que hoje é o Tribunal Provincial foi construído nos séculos XVII e XVIII. O Museu História Natural, de 1956, tem duas salas de exposições permanentes com mamíferos, peixes, conchas.

O Museu da Escravatura, constituído na ‘Capela da Casa Grande’no século XVII, abriga os testemunhos da história da escravatura e de Angola.

Na arquitectura religiosa, há ainda a mencionar as igrejas dos Jesuítas, da Misericórdia e de S. José.

Outros lugares históricos são o Marco Histórico de 4 de Fevereiro, no Cazenga, que sinaliza o local de onde saíram os nacionalistas no movimento que deu origem à luta armada de libertação.

O Memorial de Kifangondo representa a batalha que se deu quando os sul-africanos tentaram impedir a proclamação da independência e tomar Luanda, a 9 de Novembro.

O edifício do Banco Nacional de Angola, que alberga o banco central, foi projectado pelo arquitecto Vasco Regaleira e inaugurado em 1956. O Hospital Josina Machel (ex-Maria Pia) inaugurado em 1886 é outro exemplo da arquitectura colonial.

O Mutu-ya-Kevela, ex-Liceu Salvador Correia, ainda hoje conserva alguns azulejos antigos.

Gastronomia

O mufete, peixe grelhado com banana, mandioca, farinha, feijão de óleo palma, é o prato típico de Luanda, especialmente da ilha. Mas a gastronomia em Luanda tem influência de toda Angola e é baseada no funge. Come-se kizaca, calulú de peixe, carne seca ou frango de muamba.

Onde ficar

Em Luanda, é possível encontrar-se hospedagem para todos os gostos e bolsos. Para os mais exigentes, há os hotéis Epic Sana, Alvalade, Baía. Há unidades mais simples como o Loanda. E outros hotéis recentes na Ilha de Luanda. Encostado à praia, encontram-se aldeamentos turísticos.

Como ir

Luanda dispõe de um aeroporto internacional que recebe voos das mais variadas partes do mundo e de um doméstico que permite as ligações com todas as províncias. Em termos rodoviários, a capital tem ligação para todas províncias.

Comentários